José Genoíno renunciou ao seu mandato de deputado federal. Um gesto pessoal de autoproteção carregado de simbolismos. Os chefes mensaleiros presos tentaram fazer de seu infortúnio um ato de heroísmo – como esquecer a mão erguida, em desafio, na hora da prisão? – incabível. São, de fato, políticos presos, não presos políticos. A renúncia de

Read more…

É preciso compreender a obra de Jung e talvez o melhor texto para ver como o psicólogo suíço tropeçou nas próprias pernas seja no ensaio publicado em 1945, “Depois da Catástrofe” (inserido no livro Aspectos do Drama Contemporâneo, editado pela Vozes). É certo que esse texto só será compreensível, em todo o horror de suas

Read more…

Vim de ver o filme de Ridley Scott, O Conselheiro do Crime, baseado em roteiro original de Comarc MacCarthy, autor que foi apresentado ao cinema pelos Irmãos Cohen no magnífico Quando os Fracos Não Têm Vez. Juntos, um grande diretor e um grande escritor não poderiam produzir algo ruim. Eu gostei muito do filme. O

Read more…

Eu conheci o ex-ministro Bresser Pereira quando fui seu aluno, na EAESP-FGV. Naquele tempo, eu muito jovem, me empolguei e li todos os seus livros. Muito conversávamos e nessas conversas certa vez ele me disse que era um agente gramsciano. Assim, simples assim. Naquele tempo as leituras, além do próprio Grasmci, eram livros de Althusser

Read more…

Está em 5×5 o escore no julgamento do Mensalão. O que significa esse notável empate? Muita coisa, e não apenas na economia interna da Suprema Corte. Ficou claro que os “novatos” se alinharam politicamente aos mensaleiros e suas teses jurídicas têm servido apenas para justificar a sua subserviência ao partido governante. Mas o empate é

Read more…

O homem precisa descobrir novamente o contato com o transcendente, com o Deus de nossos pais. Quando li pela primeira vez, por volta dos trinta anos, o opúsculo de Jung RESPOSTA A JÓ sofri um choque soberbo. Até então me considerava ateu e nunca havia levado a sério nem a teologia e nem as Escrituras.

Read more…

A contenda que encerrou a última sessão do STF – Supremo Tribunal Federal, sobre o Mensalão, entre Ricardo Lewandowski e Joaquim Barbosa, precisa ser compreendida na sua exata dimensão, porque o que vier emergir dela é que balizará o exercício do poder na nossa democracia. Não creio que o ministro Joaquim tenha improvisado na sua

Read more…

Merece um comentário o artigo de hoje de Roberto na Matta, publicado no Estadão (http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,ninguem-sabe-com–quem-esta-falando-,1061416,0.htm). O autor, renomado sociólogo, comete a síntese dos equívocos dos que têm analisado as manifestações de rua,  que têm acontecido desde junho, desde a perspectiva da esquerda política. Em síntese: 1-      As manifestações, na origem, não foram espontâneas. Grupos ligados ao

Read more…

“Outrora todos eram loucos, dizem os mais espertos, e dão uma piscadela”. Stéphane Rials Na longa história dos chamados direitos subjetivos é possível detectar dois ramos de pensamento que foram cristalizados a partir da filosofia política de Hobbes. Os direitos subjetivos – direitos humanos ou do homem – é um fenômeno que duela com os grandes

Read more…

O filme de Margarethe Trotta sobre Hannah Arendt é sublIme. Um relato conciso e fiel da vida da filósofa, centrado no caso Eichmann. A atriz que vive Arendt é ótima. A narrativa é muito boa, não cansa. Mas o espetacular é dizer que Hannah quis fazer a reportagem/livro. A obsessão de Arendt é a minha:

Read more…