Fui ver o espetáculo Elis, a Musical, em cartaz no Teatro Alpha. Uma superprodução muito bem cuidada, com texto de Nelson Motta e Patrícia Andrade, contando relances da biografia de Elis Regina e, claro, seguindo a trilha sonora das canções gravadas pela cantora. No papel principal Leila Garin, brihante, convincente, ótima cantora, acompanhada de ótimo

Read more…

Adorei o filme Robocop dirigido por José Padilha. De qualquer ângulo que se olhe é um bom filme, exceto por um grave erro no argumento, sobre o qual já falarei. O remake só não é uma obra prima porque escapou da discussão de fundo sobre a Justiça e seu aparato repressivo. Essa discussão levaria à

Read more…

Como percebo o cinema? Como um conjunto de técnicas e ações que buscam contar uma história na linguagem própria do cinema. A base de tudo está no texto. A arte de representação se insere como parente do teatro, mas é dele diferente, porque as cenas podem ser repetidas quantas vezes necessárias, até a perfeição, permitindo

Read more…

Junho de 2009 Eu sempre soube que José Sarney nunca foi um estadista, no sentido dicionarizado de ser uma pessoa que tem liderança política e sabedoria para se portar acima dos interesses gremiais menores e em prol dos interesses gerais. Sempre me pareceu que o senador pautou sua vida política pela mesquinharia, pelo compadrio, pelo

Read more…

Observar a cena política brasileira nesse ano eleitoral tem sido surpreendente. Ninguém, ao virar do Ano Novo, poderia afirmar com alguma chance de sucesso que poderia haver alternância de poder. Certo: tirar socialistas radicais e pôr no lugar os socialistas fabianos não parece grande coisa à primeira vista. Resta a pergunta: qual a alternativa? A

Read more…

Esporadicamente deparo-me com opiniões de que uma das soluções para o Brasil seria permitir a separação de partes do território. Assim, supostamente porções mais ricas poderiam ficar ainda mais ricas se saíssem do guarda-chuva da Federação. E as mais pobres superar sua própria pobreza, em passe de mágica, supostamente por escapar do “imperialismo” interno. Obviamente

Read more…

Hoje eu li a coluna do Pasquale Cipro Neto, na Folha de São Paulo (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/158415-quero-inventar-o-meu-proprio-pecado.shtml), exaltando a vitória das esquerdas contra o movimento cívico-militar de 1964. Tomou como mote a música Cálice, de Chico Buarque. Toda a esquerda, e o Pasquale também, exalta a suposta resistência como o prolegômeno da vitória política que se completou

Read more…

Muito informativo o Relatório da Administração do Grupo Saraiva, publicado hoje nos jornais. Em 6 anos a Saraiva dobrou de tamanho. Como a expansão do mercado interno de livros no período foi modestíssima, a Saraiva cresce à custa dos pequenos livreiros e editores. A Saraiva é um exemplo do que está acontecendo em todos os

Read more…

Fui ouvir uma palestra sobre as epístolas paulinas e, lá pelas tantas, a palestrante falou de “pecado social”. E insistiu que a “sociedade” pode ser considerada pecadora. Na hora rebati, dizendo que o pecado é algo individual e que não é possível que uma sociedade faça penitência e se arrependa. Disse mais: sociedade é abstração,

Read more…